JFPB concede liminar para reintegração de posse no Bairro das Indústrias

20/10/2017 às 09:22

Conjunto Residencial Vista do Verde I e II foi ocupado irregularmente em agosto deste ano

         A Justiça Federal na Paraíba (JFPB) atendeu ao pedido da Caixa Econômica Federal (CEF) e concedeu medida liminar para reintegração de posse do Conjunto Residencial Vista do Verde I e II, no bairro das Indústrias, em João Pessoa. Das 384 unidades habitacionais do local, pelo menos 357 foram ocupadas irregularmente, desde agosto deste ano. Os invasores têm dez dias para deixar o local, a contar da data em que todos forem intimados. Os mandados começaram a ser cumpridos na quinta-feira (12/10). 

         A decisão da juíza federal Cristina Maria Costa Garcez, da 3ª Vara, considerou informações repassadas pela Secretaria Municipal de Habitação (SEMHAB) da Prefeitura de João Pessoa, que visitou o Conjunto Residencial, no mês passado, com intuito de verificar se os invasores tinham cadastro junto ao órgão para possível benefício em relação à moradia.

         Foi constatado que 111 ocupantes têm inscrições na SEMHAB, 29 já estão destinados a receber residenciais do Programa Minha Casa Minha Vida, 193 não possuem inscrição, 4 têm CadMut (cadastro para registro das informações dos contratos de financiamento habitacional da CEF) e 2 têm carnês de IPTU. A Prefeitura também registrou que, entre os invasores, há pessoas que pertencem a outras ocupações irregulares do município de João Pessoa, sendo: 12 da Paraisópolis, 10 da Nelson Mandela, 1 da Irmã Dulce e 1 de uma invasão no Valentina de Figueiredo.

O processo traz, ainda, provas de que há construções irregulares na área, ligações clandestinas de energia elétrica e danos às estruturas dos blocos de apartamentos.

Entenda o caso

O Conjunto Residencial Vista do Verde I e II está em fase de conclusão, pelo Programa Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal. As unidades habitacionais são destinadas à população com renda familiar de até R$ 1.600,00. As obras estavam sendo realizadas pela G3 Construtora e Imobiliária Ltda., mas a empresa não finalizou o serviço no período pactuado e não honrou o cronograma físico e financeiro, deixando a construção parada desde o ano de 2015. A Caixa formalizou novo procedimento de licitação e contratou a empresa Engemat para terminar o Conjunto.


Processo nº 0807918-88.2017.4.05.8200

Autor: Seção de Comunicação Social da JFPB - imprensa@jfpb.jus.br    

 

 

 


 Imprimir