Justiça Federal na Paraíba realiza ação educativa alusiva à campanha “Coração Azul”

30/07/2019 às 16:53

Pelo quarto ano consecutivo, órgão aderiu ao movimento que reforça o enfrentamento ao tráfico de pessoas em todo o mundo

         Nesta terça-feira (30), Dia de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, a Justiça Federal na Paraíba (JFPB) realizou uma ação educativa alusiva à campanha “Coração Azul”, que ressalta a preocupação com a temática em todo o mundo. Quem passou pelo edifício-sede, em João Pessoa, recebeu panfletos e adesivos que proporcionaram uma reflexão sobre o problema. Este é o quarto ano consecutivo que a Seção Judiciária paraibana adere ao movimento.  

         Desde o início do mês, as fachadas dos Fóruns de João Pessoa e de Campina Grande estão iluminadas com a cor azul, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para o tema, alertando para a necessidade do compartilhamento de informações, além de demonstrar solidariedade com as vítimas desse tipo de crime. São pessoas que passam por situações diversas, que envolvem exploração da prostituição, exploração sexual, exploração do trabalho, serviços forçados, escravidão ou situações análogas à escravidão, servidão, extração de órgãos e adoção ilegal.

A Campanha “Coração Azul” foi lançada em 2013 e é realizada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC-ONU) e pelo Governo Federal através do Ministério da Justiça. A data de 30 de julho como alusão à causa foi instituída pela Assembleia Geral da ONU. No Brasil, o Dia Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas ficou estabelecido no art. 14 da Lei nº 13.344/2016.

Como prevenir e denunciar

- Antes de aceitar ofertas de emprego, procure conhecer seus direitos como trabalhador e as condições de trabalho oferecidas;

- Prefira ofertas de emprego de instituições formalmente reconhecidas;

- Não entregue documentos pessoais de identificação a ninguém. Além do documento original, tenha sempre uma cópia em mãos;

- Deixe contatos telefônicos e endereço com familiares e amigos.

Em caso de denúncia, disque para 100 ou 180.

 

Autor: Seção de Comunicação Social da JFPB - imprensa@jfpb.jus.br  


 Imprimir