Justiça Federal na Paraíba agora é 100% digital

19/12/2019 às 11:13

Iniciativa foi oficializada, nesta quinta-feira (19), com o encerramento da migração dos processos físicos de três Varas Federais para o sistema eletrônico

 

A Justiça Federal na Paraíba (JFPB) se tornou 100% digital, nesta quinta-feira (19), após oficializar o encerramento da migração dos processos físicos da Seção Judiciária para o sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJe). Foram digitalizadas mais de cinco milhões de folhas de 52 mil autos, pelas Varas Federais e pela Comissão de Digitalização, instituída pela JFPB com objetivo de acelerar os trabalhos. A migração foi concluída com os processos das 1ª, 5ª e 16ª Varas, todas de João Pessoa. 

De acordo com o diretor do Foro, juiz federal Bruno Teixeira de Paiva, este é um marco histórico para a Seção Judiciária paraibana, que cumpre o que determinou a Resolução Pleno nº 06/2019 do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), dando prazo até 19/12/2019 para que as Varas de sua jurisdição realizassem esse trabalho. “A prestação do serviço ganha em agilidade e economia, uma vez que não haverá mais gastos com transporte, impressão e manutenção de processos físicos”, declarou.

Foram digitalizados os processos das 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 8ª, 10ª, 11ª, 12ª, 14ª e 16ª Varas. As 7ª, 9ª e 13ª Varas não realizaram a migração porque já eram virtuais. Também foram migrados os dados e inseridas as informações do Sistema Tebas (referente aos processos físicos) de mais de 11 mil autos das Varas de Execuções Fiscais sobrestadas (arquivadas na Secretaria ou suspensas), com a utilização do “robô Quixote”, idealizado pelo Escritório de Inovação da JFPB.

 

Comissão de Digitalização

A Seção Judiciária instituiu, em abril de 2018, a criação de uma equipe específica para agilizar o trabalho de digitalização e atuar junto com as Varas. A Comissão, formada por 14 servidores, trabalhou durante 84 sessões, principalmente aos sábados. “Foi uma força-tarefa para atender à determinação do TRF5 e garantir que não houvesse mais processos físicos em tramitação na JFPB”, declarou o diretor do Núcleo Judiciário do órgão, Ricardo Correia.

 

Autor: Seção de Comunicação Social da JFPB - imprensa@jfpb.jus.br


 Imprimir